O Escuta

Maria Pereira
Latest posts by Maria Pereira (see all)

Conhecia-o de vista e de alcunha. Era um velho carrejão, da estação dos Caminhos de Ferro, moço de saco, tinha sido já.
Dele toda a gente troçava, do seu corpo bamboleante, do seu cabelo branco, comprido, liso e teso de porcaria acumulada durante anos e anos.
Dormia em qualquer lado, por aí, onde conseguia parar a carreta, em que transportava os volumes que ia buscar à estação e distribuía pelo comércio e pequena industria, em Vila Franca de Xira. Vivia desse trabalho. Comia… quando lhe sobrava algum dinheiro, do que gastava no vinho, na tentativa vã de esquecer a solidão, a miséria e a dor. Chamavam-lhe o Escuta.
Reconheci-o quando entrou pela porta da Igreja naquele dia triste de funeral, curvado de anos e insultos da vida, limpo o fato remendado, as lágrimas rolando ácidas pelo rosto seco e rugoso. Aproximou-se. Da sua boca saíram palavras apenas perceptíveis para mim. Os soluços cortavam-lhas, mas num impulso mais forte e dirigindo-se a quem já não podia ouvi-lo, gemeu:

– Foi o ÚNICO (num grito rouco), o ÚNICO que sempre me tratou por Senhor e pelo meu nome de baptismo!

Comentários

Comentários

Maria Pereira

Sou Maria Pereira, velhota do Minho, residente por Vila Franca há cerca de sessenta anos. Sou uma mulher muito rica, de afectos: tenho cinco filhos, oito netos e oito bisnetos. Conheço muita gente e muitas histórias de vida, episódios e factos, que, (penso eu) é pena perderem-se. Um dia, quando eu partir definitivamente, levo-os comigo? Não gostaria que assim fosse, por isso, a pouco e pouco, atrevo-me a contar as minhas memórias de outras gentes, algumas em que, por isto ou aquilo, me envolvi e que me ficaram no coração. Pela emoção, pelo carinho, pela raiva, pela impotência. Algumas apenas por que tiveram graça.

avozinha has 15 posts and counting.See all posts by avozinha