Neo-Realismo no Museu há 8 anos

Sofia T

Profissionalmente tem feito imensas coisas, no entanto, aqui só se encontrará a parte civilizada.
Lê livros, conta histórias, estuda um pouco de tudo, o que lhe dá a capacidade de ver o mundo numa perspectiva alargada e de aprender depressa. Nunca pára de aprender. Vive numa insaciável busca por conhecimento e pela melhoria das suas aptidões.

Gosta de fazer bem, privilegia sempre a competência e segura-a no seu horizonte.

Se lhe perguntarem o que gosta mesmo de fazer, dirá que gosta de ler, escrever e de contar histórias. Por isso, escreve coisas em várias vozes. Eleva cada voz a um desafio que leva até ao fim e lhe serve de combustível.

Escreve em plataformas Blogger, WordPress, papel ou na areia da praia. Conta histórias em vídeo, áudio, ou texto. E edita-as todas, porque, acredita, é na edição que está a arte.

A quem interessar, nos espaços temporais que deixa em aberto, carregou fardos de palha, sacas de ração e carrinhos-de-mão cheios de estrume. Também trabalhou muitos cavalos e deu aulas de equitação, entre tantas outras coisas.
Sofia T

Latest posts by Sofia T (see all)

No dia passado dia 20 de Outubro, o Museu do Neo-Realismo comemorou 8 anos de existência. As comemorações integraram a assinatura dos contratos de doação dos espólios de Júlio Graça, Carlos Coutinho, Joaquim Namorado e Álvaro Feijó e incluíram a abertura da Livraria do MNR que, a partir de agora, põe à disposição dos interessados uma vasta bibliografia especializada.

António Pedro Pita - Director Científico do MNR
António Pedro Pita – Director Científico do MNR

A Sessão Solene foi presidida por Alberto Mesquita, Presidente da Câmara de Vila Franca de Xira e contou com a participação de António Pedro Pita, Director Científico do MNR e do Dr. Elísio Summavielle, como conferencista convidado.

Destaca-se a intervenção do Director Científico do MNR que quis partilhar com os presentes “o sentimento de que a localização do Museu do Neo-Realismo, no xadrez museológico português e no conjunto das instituições culturais, essa justa colocação, deve muito à clarividência contemporânea subjacente ao projecto de David Santos”, presente nesta sessão solene e antigo director do Museu do Neo-Realismo.

António Pedro Pita referiu também que a colecção do museu “em grande medida, se deve à generosidade dos doadores ou à dos seus familiares” sublinhando também a importância dos anteriores presidentes da Câmara, Daniel Branco e Maria da Luz Rosinha, tal como dos intervenientes em todo o processo de constituição do museu até aos dias de hoje.

A livraria renovada
A livraria renovada

António Pedro Pita apresentou, ainda, o projecto “Geografia do Neo-Realismo” que funciona como uma espécie de rede que reforça “a importância territorial da cultura” essencialmente através da articulação dos pontos onde a presença neo-realista é mais visível e que assenta na livraria, nesta sua nova configuração de livraria especializada, onde os interessados poderão encontrar muito do que diz respeito ao neo-realismo.

Após a intervenção de Elísio Summavielle foram assinados os contratos de doação dos espólios pelos familiares de Júlio Graça, Joaquim Namorado e Álvaro Feijó e por Carlos Coutinho, único doador vivo.

O presidente da Câmara fechou a cerimónia destacando o papel da sua antecessora, Maria da Luz Rosinha e de David Santos na criação do museu, referindo que “20 de Outubro de 2007 fica para a História como um momento marcante do panorama cultural de Vila Franca de Xira e do país”.

Autores neo-realistas
Autores neo-realistas

No aniversariante Museu do Neo-Realismo poderão ser visitadas as seguintes exposições:

  •  Mostra de Escultura do Acervo do Museu do Neo-Realismo – patente até 20 de Março de 2016;
  •  “Garcez da Silva – percursos” – patente até 20 de Março de 2016;
  • “Manuel Guimarães, sonhador indómito”– patente até 30 de Abril de 2016;
  •  “Sem Consenso” – será inaugurada dia 31 de Outubro e estará patente até 20 de Março de 2016;
  • “Batalha pelo Conteúdo – movimento neo-realista português” – exposição de longa duração.

*Fotografias de Helder Bento

Comentários

Comentários

Sofia T

Profissionalmente tem feito imensas coisas, no entanto, aqui só se encontrará a parte civilizada. Lê livros, conta histórias, estuda um pouco de tudo, o que lhe dá a capacidade de ver o mundo numa perspectiva alargada e de aprender depressa. Nunca pára de aprender. Vive numa insaciável busca por conhecimento e pela melhoria das suas aptidões. Gosta de fazer bem, privilegia sempre a competência e segura-a no seu horizonte. Se lhe perguntarem o que gosta mesmo de fazer, dirá que gosta de ler, escrever e de contar histórias. Por isso, escreve coisas em várias vozes. Eleva cada voz a um desafio que leva até ao fim e lhe serve de combustível. Escreve em plataformas Blogger, WordPress, papel ou na areia da praia. Conta histórias em vídeo, áudio, ou texto. E edita-as todas, porque, acredita, é na edição que está a arte. A quem interessar, nos espaços temporais que deixa em aberto, carregou fardos de palha, sacas de ração e carrinhos-de-mão cheios de estrume. Também trabalhou muitos cavalos e deu aulas de equitação, entre tantas outras coisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

twenty − 11 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.